MDF ou MDP: qual o melhor material para móveis planejados?

Muitas pessoas ficam em dúvida na hora de escolher entre MDF ou MDP. Ambos são fabricados a partir dos mesmos tipos de madeiras de reflorestamento (geralmente eucalipito e pinus),  os dois materiais possuem diferenças em sua estrutura que devemos levar em consideração, que são maleabilidade, resistência e flexibilidade, o que pode interferir no resultado final do projeto. Assim devemos analisar estas características e escolher qual irá atender melhor as necessidades. Fizemos uma lista das principais características de ambos, confira:

Diferenças
O Medium Density Fiberboard (MDF) e o Medium Density Particleboard (MDP) são feitos a partir das mesmas espécies de árvores: pinus e eucaliptos. A principal diferença é a composição, já que o MDF é composto por fibras da madeira e o MDP por partículas da matéria-prima. Enquanto o MDF é feito por apenas uma camada homogênea, o MDP é constituído por três partes de chips ou cavacos da madeira, onde os dois extremos são mais finos e o miolo é mais espesso.

Como escolher o mais adequado
A diferença na composição é muito importante para definir qual material será o mais apropriado para o uso final do mobiliário, e isso deve ser considerado na hora de escolher qual material mais adequado para o seu projeto. O MDF, por ser mais maleável, permite a formação de curvas mais complexas. Por isso, é recomendável que ele seja o escolhido para os móveis mais criativos e refinados, que necessitam que a placa tenha uma maior flexibilidade. Normalmente, é ele que compõe os móveis com acabamentos arredondados, por exemplo.

O MDP, por sua vez, tem algumas limitações quanto à plasticidade, mas também pode ser considerado mais resistente. Desse modo, ele é o mais utilizado na confecção de móveis em linha reta e na construção de móveis e peças que necessitem de maior sustentação. Para te ajudar a escolher nós separamos as principais características:

MDF
O MDF é praticamente equivalente à madeira no que se refere às possibilidades de trabalho com a matéria-prima. Com superfícies grandes e homogêneas, permite cortes em qualquer sentido e possui um toque liso e uniforme. O MDF também suporta muito bem a aplicação de qualquer tipo de revestimento e acabamento, desde pintura até papéis impressos. Outra vantagem é que ele pode receber placas resistentes à água, necessárias em móveis de banheiros e cozinhas. Principais vantagens:

– recebe cortes em qualquer sentido;
– apresenta muita resistência à temperatura;
– fibras que possibilitam trabalhos precisos, facilitando o acabamento;
– comporta aplicação de qualquer revestimento, como pinturas e papéis.

MDP
Muito indicado para a fabricação de móveis em linha reta, o MDP é considerado o painel de madeira industrializada mais consumido no mundo. Faz parte de uma nova geração de painéis de densidade, sendo totalmente superior aos feitos antigamente, como o conhecido compensado. Com a capacidade de suportar mais peso em relação ao MDF, ele é mais adequado para a fabricação de portas, prateleiras, divisórias, bases, gavetas, entre outros mobiliários em linha reta. Vantagens:

– suporta mais peso;
– considerado mais econômico;
– maior resistência à fixação de parafusos;
– altamente indicado para projetos retos e utilitários (como prateleiras).

Como aproveitar melhor as características de cada um
Antes de mais nada, você precisa escolher o local onde o móvel planejado será colocado e o tipo de acabamento que ele deverá receber. Isso é super importante para manter a qualidade e a beleza do seu mobiliário. Numa cozinha, o ideal é mesclar os dois para a composição. Assim, você aproveita as diferentes propriedades dos dois tipos de materiais, fazendo com que o resultado final seja um móvel refinado e resistente.

O MDF é sempre o mais recomendado para a parte externa dos móveis, já que ele permite a realização de acabamentos diferenciados e modernos, o que resulta na valorização do visual. Porém, é um material que absorve muita umidade, o que pode danificar a estrutura das peças, não sendo indicado para áreas muito úmidas. Se for o caso de um móvel de banheiro arredondado, por exemplo, é preciso aplicar um revestimento de qualidade que o proteja dos danos da umidade.

Já o MDP é um material bastante resistente, que pode receber peso sem o risco de empenar, sendo ideal para a parte interna dos móveis de um projeto misto, como gavetas e prateleiras. Outra grande vantagem do MDP é que ele não é tão sensível à umidade como o MDF e, por consequência, é o mais adequado para o mobiliário dos cômodos frios: cozinha, banheiro e a área de serviço.

Onde aplicar o MDF
– peças sem contato direto com umidade;
– móveis com cortes em sentidos e tamanhos diferentes;
– partes externas com acabamentos e revestimentos mais refinados;
– móveis que vão suportar pouco peso (penteadeiras, mesas de canto, berços e etc.);
– acabamentos de móveis com design diferenciado (mesas, cadeiras, cabeceiras de cama e etc).

Onde aplicar o MDP
– peças retas que não precisem de cortes e acabamentos diferenciados;
– móveis que vão receber bastante peso (gavetas, prateleiras, cristaleiras, estrado de camas, etc.);
– itens que terão mais contato com umidade (gabinetes de banheiro, armários de cozinha, gaveteiros para área de serviço, etc.).

Gostou do conteúdo? Quer mais dicas de como deixar sua casa impecável? Assine nossa Newsletter e receba as informações diretamente em seu e-mail.

Gostou das dicas? Curta nossa página no Facebook, nosso perfil no Instagram e fique por dentro das novidades!



WhatsApp chat